Notícias Corporativas

2014janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulho
2013janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2012janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2011janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2010janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2009janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2008fevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro

30 nov 2013   Notícias de Vírus

Milhões de dispositivos Android têm a aplicação Vulna instalada e podem ter caído nas mãos dos cibercriminosos

Lisboa, 30 de Outubro de 2013• Como muitas outras aplicações do género, o Vulna tem a capacidade de reunir informação confidencial como o conteúdo de mensagens SMS, o historial das chamadas, a lista de contactos, etc. do utilizador infectado• Também pode espiar através das redes WiFi, instalar um malware que o junta a uma botnet ou atacar os servidores do Vulna, podendo redireccionar o tráfego da rede para qualquer página controlada pelo hackerMuitas vezes, as aplicações “gratuitas” que descarregamos na loja do Google Play não saem assim tão “baratas”. Tal como acontece com todos os outros serviços online que não estão sujeitos a pagamento, a publicidade é a única forma de estes programas gerarem algum rendimento económico. Durante o processo de desenvolvimento das apps, o editor escolhe uma biblioteca de anúncios de uma determinada companhia que depois é embutida na app.Existe uma biblioteca de anúncios muito utilizada no Android (cujas funcionalidades violam a privacidade do utilizador e contêm uma grande quantidade de vulnerabilidades) que já registou mais de 200 milhões de descargas em aplicações do Google Play. Chama-se Vulna e o seu comportamento é tão imprudente que captou a atenção dos investigadores da FireEye, que analisaram esta rede publicitária.Como muitas outras bibliotecas

20 nov 2013   Notícias de Negócios

Um ataque dirigido contra uma grande empresa pode causar até 1,7 milhões de euros de prejuízo

RELATÓRIO RISCOS GLOBAIS EM SEGURANÇA EMPRESARIAL 2013

12 nov 2013   Comunicados de Imprensa

Kaspersky Lab bloqueia ataques a vulnerabilidade zero-day do Microsoft Office

No dia 5 de Novembro, a Microsoft publicou um alerta de segurança informando os utilizadores acerca de uma vulnerabilidade do sistema que permitia aos atacantes obterem os mesmos direitos de acesso do utilizador legítimoA tecnologia Prevenção Automática de Exploits da Kaspersky Lab bloqueia as tentativas de infecção desta vulnerabilidade que até esse momento era desconhecida pela Microsoft mas que já está activa desde JulhoA tecnologia de Prevenção Automática de Exploits da Kaspersky Lab (AEP) protege os utilizadores contra o malware que explora as vulnerabilidades descobertas nos programas mais utilizados, incluindo Java, utilizando-as para infectar computadores, e bloqueia com êxito os ataques resultantes da vulnerabilidade recentemente descoberta no software Microsoft Office.No dia 5 de Novembro, a Microsoft publicou um aviso de segurança informando os utilizadores acerca de uma vulnerabilidade no sistema que permitiria aos atacantes obter os mesmos direitos de acesso do utilizador legítimo. Esta vulnerabilidade afecta o Microsoft Windows, o Microsoft Lync e o Microsoft Office. Dado o elevado número de utilizadores destes programas, a vulnerabilidade de software já afectou milhões de utilizadores em todo o mundo.A Kaspersky Lab confirma que a sua tecnologia AEP conseguiu bloquear as tentativas de infecção desta vulnerabilidade - que até esse momento era desconhecida

08 nov 2013   Notícias de Vírus

Android 4.4 inclui novidades em segurança – Mas são realmente importantes?

Lisboa, 8 de Novembro de 2013• A fonte de infecção mais comum no Android continua a ser a mesma: as aplicações não oficiais descarregadas a partir de lojas de terceiros e, neste sentido, nada mudou• Mais de 25% dos utilizadores continua a usar o SO Android 2.3, já lançado há alguns anos, o que representa um grande problema de segurançaNo passado dia 31 de Outubro 2013, a Google lançava a versão 4.4 do seu popular sistema operativo Android. Entre os melhoramentos introduzidos, muitos estão relacionados com a segurança. Resta saber se, de facto, o Android 4.4 é realmente mais seguro que os seus antecessores.De acordo com a Kaspersky Lab, neste Android 4.4 ou KitKat as melhorias introduzidas em segurança dividem-se em duas categorias:1. Os certificados digitaisO Android 4.4 avisa o utilizador se uma autoridade de certificação (CA) for adicionada ao dispositivo, pelo que ajudará a evitar ataques Man-in-the-Middle. O Google Certificate Pinning fará com que só uma lista branca de certificados SSL possa ligar-se a determinados domínios do Google, tornando mais difícil para os cibercriminosos interceptar o tráfego de rede e os serviços do Google.2. Reforço do sistema operativoSELinux funciona em modo “enforced”, em vez de em modo “permisive”. Isto nega o

06 nov 2013   Comunicados de Imprensa

28% dos europeus não comprovam a segurança dos sites onde introduzem dados

24% dos utilizadores europeus nunca ouviram falar de ferramentas para comprovar a veracidade de um site62% dos europeus já se depararam com pelo menos uma ameaça online aos seus activos financeirosQuase 30% dos europeus introduzem dados confidenciais (incluindo dados financeiros) em páginas web sem comprovar primeiro se estas são autênticas. Dos países da Europa, Espanha é o mais descuidado, quase o triplo da média do continente. O país onde os utilizadores são mais precavidos é a França, onde só 9% não se certificam da segurança dos sites antes de introduzir informação pessoal. Estes são dados obtidos no estudo “Consumer Security Risk Survey 2013” realizado por B2B Internacional para a Kaspersky Lab.Os cibercriminosos aproveitam esta despreocupação e criam versões falsas de sites para roubar as credenciais dos utilizadores. A criação de websites falsos que imitam sites de companhias importantes para roubar dados pessoais é uma fraude bastante popular na Internet. Uma proporção importante dos sites de phishing (1 em cada 5, segundo os dados da Kaspersky Lab) é criada para roubar informação financeira. Os utilizadores ignoram muitas vezes esta ameaça e não tomam as medidas adequadas para se proteger. De facto, o estudo revela que 24% dos europeus nunca tinha ouvido falar

← Previous   |   Top Of Page   |   Next →

© 1997 - 2014 Kaspersky Lab

Todos os direitos reservados.