Definitions

O que é um antivírus na nuvem?

O que é um antivírus na nuvem?

Os programas de antivírus na nuvem descarregam cargas de trabalho de antivírus para um servidor baseado na nuvem, em vez de sobrecarregar o computador de um utilizador com um pacote completo de antivírus. Enquanto os programas de segurança tradicionais se baseiam na capacidade de processamento do computador local de um utilizador, as soluções informáticas em nuvem instalam apenas um pequeno programa de "cliente" num computador que, por sua vez, se liga ao serviço Web do fornecedor de segurança. Aí, os dados das análises de antivírus são examinados e as instruções para medidas adequadas de prevenção são enviadas de volta para o computador do utilizador.

O mercado de antivírus na nuvem está a crescer, à medida que as empresas de segurança tiram partido da tecnologia informática distribuída para proporcionar uma proteção melhorada.

Vantagens

Ao basear-se na tecnologia de nuvem para processar e interpretar dados de análises, o computador de um utilizador tem apenas de analisar periodicamente o seu sistema de ficheiros e, em seguida, transferir os resultados. Isto reduz significativamente a capacidade de processamento necessária para manter um sistema em segurança. Mais importante ainda é que os dados em tempo real podem ser enviados para o cliente de desktop, atualizando listas negras (ficheiros e sites maliciosos) e listas brancas (ficheiros e sites aprovados) locais, em vez de esperar que um utilizador execute uma atualização manual ou depender de atualizações automáticas semanais ou mensais. Adquirir um antivírus na nuvem é, muitas vezes, menos dispendioso do que adquirir um pacote completo de software. Todas as funcionalidades comuns de antivírus, como análises de vírus, agendamento de análises, criação de relatórios e remoção de ficheiros, fazem parte das ofertas de antivírus baseados na nuvem. O local de processamento é a única alteração significativa.

Desvantagens

a dependência da conetividade — se o serviço da Web de um fornecedor deixar de funcionar, os computadores terminais permanecem efetivamente sem proteção, uma vez que o cliente local apenas é capaz de analisar, não interpretar. Além disso, a otimização é crítica. Os fornecedores têm de decidir que definições em listas negras ou listas brancas são suficientemente críticas para serem incluídas no cliente local sem o sobrecarregar e quais podem permanecer num servidor em nuvem. Por último, há alguma preocupação com o facto de os dados dos utilizadores serem carregados para servidores em nuvem, o que pode representar um risco potencial de infeção secundária.

© 1997 - 2014 Kaspersky Lab

Todos os direitos reservados.