Notícias de Vírus

2014janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulho
2013janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2012janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2011janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2010janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2009janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2008fevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro

30 nov 2013   Notícias de Vírus

Milhões de dispositivos Android têm a aplicação Vulna instalada e podem ter caído nas mãos dos cibercriminosos

Lisboa, 30 de Outubro de 2013• Como muitas outras aplicações do género, o Vulna tem a capacidade de reunir informação confidencial como o conteúdo de mensagens SMS, o historial das chamadas, a lista de contactos, etc. do utilizador infectado• Também pode espiar através das redes WiFi, instalar um malware que o junta a uma botnet ou atacar os servidores do Vulna, podendo redireccionar o tráfego da rede para qualquer página controlada pelo hackerMuitas vezes, as aplicações “gratuitas” que descarregamos na loja do Google Play não saem assim tão “baratas”. Tal como acontece com todos os outros serviços online que não estão sujeitos a pagamento, a publicidade é a única forma de estes programas gerarem algum rendimento económico. Durante o processo de desenvolvimento das apps, o editor escolhe uma biblioteca de anúncios de uma determinada companhia que depois é embutida na app.Existe uma biblioteca de anúncios muito utilizada no Android (cujas funcionalidades violam a privacidade do utilizador e contêm uma grande quantidade de vulnerabilidades) que já registou mais de 200 milhões de descargas em aplicações do Google Play. Chama-se Vulna e o seu comportamento é tão imprudente que captou a atenção dos investigadores da FireEye, que analisaram esta rede publicitária.Como muitas outras bibliotecas

08 nov 2013   Notícias de Vírus

Android 4.4 inclui novidades em segurança – Mas são realmente importantes?

Lisboa, 8 de Novembro de 2013• A fonte de infecção mais comum no Android continua a ser a mesma: as aplicações não oficiais descarregadas a partir de lojas de terceiros e, neste sentido, nada mudou• Mais de 25% dos utilizadores continua a usar o SO Android 2.3, já lançado há alguns anos, o que representa um grande problema de segurançaNo passado dia 31 de Outubro 2013, a Google lançava a versão 4.4 do seu popular sistema operativo Android. Entre os melhoramentos introduzidos, muitos estão relacionados com a segurança. Resta saber se, de facto, o Android 4.4 é realmente mais seguro que os seus antecessores.De acordo com a Kaspersky Lab, neste Android 4.4 ou KitKat as melhorias introduzidas em segurança dividem-se em duas categorias:1. Os certificados digitaisO Android 4.4 avisa o utilizador se uma autoridade de certificação (CA) for adicionada ao dispositivo, pelo que ajudará a evitar ataques Man-in-the-Middle. O Google Certificate Pinning fará com que só uma lista branca de certificados SSL possa ligar-se a determinados domínios do Google, tornando mais difícil para os cibercriminosos interceptar o tráfego de rede e os serviços do Google.2. Reforço do sistema operativoSELinux funciona em modo “enforced”, em vez de em modo “permisive”. Isto nega o

← Previous   |   Top Of Page   |   Next →

© 1997 - 2014 Kaspersky Lab ZAO.

Todos os direitos reservados.