Comunicados de Imprensa

2014janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulho
2013janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2012janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2011janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2010janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2009janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2008fevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro

31 out 2013   Comunicados de Imprensa

O que acontece à sua vida digital depois da morte?

Especial Todos os Santos

25 out 2013   Comunicados de Imprensa

Ataques à medida através da geolocalização nas redes sociais

Lisboa, 25 de Outubro de 2013 - A geolocalização tornou-se numa funcionalidade muito utilizada pelos utilizadores de smartphones em todo mundo. Graças a sistemas como o GPS e ao desenvolvimento de mashups, tem crescido o interesse dos utilizadores em receberem ofertas de restaurantes, hotéis, rotas de interesse etc.As redes sociais mais populares - Facebook, Twitter, Google+ - permitem aos utilizadores partilharem a informação sobre a sua localização e o estão a fazer em determinado momento. Mas a grande popularidade destes serviços não passou despercebida aos cibercriminosos, que começaram a ajustar as suas tácticas a este fenómeno para tornar os seus ataques mais dirigidos e eficazes."Começámos a observar uma grande quantidade de cibercriminosos que usam a geolocalização para realizar ataques dirigidos às redes sociais através de apuradas técnicas de engenharia social", afirmam os analistas da Kaspersky LabA natureza das redes sociais, em que os utilizadores partilham detalhes íntimos das suas vidas, nomeadamente onde se encontram, quais os seus hobbies, onde trabalham e o que comem, etc., faz com que este tipo de ciberataques seja mais fácil de implementar. Os dados que se partilham permitem aos cibercriminosos filtrarem os perfis dos utilizadores de acordo com interesses concretos. Isto facilita-lhes a tarefa de criar

23 out 2013   Comunicados de Imprensa

Mais de metade dos europeus dá mais valor ao que guarda no computador do que ao dispositivo em si

61% dos utilizadores infectados por malware na Europa foram incapazes de recuperar todos os seus dadosA maioria dos inquiridos diz que a informação pessoal vale mais do que qualquer dispositivo, independentemente do seu custo Um em cada cinco ataques maliciosos culminou no roubo de dados pessoaisA maioria dos utilizadores de computadores considera que os dados que os seus equipamentos contêm são mais importantes do que o próprio hardware. Num inquérito realizado este Verão pela B2B Internacional e pela Kaspersky Lab, 56% dos europeus classificaram as suas fotos e documentos como sendo mais valiosos do que o equipamento, mesmo o mais caro. No entanto, nos casos em que os utilizadores já sofreram um ataque de malware, mais de 50% foram incapazes de recuperar todos seus dados.Mas o que tem mais valor, um computador caro ou a primeira foto de um filho? Um portátil ou os emails partilhados com a cara-metade? Um fabuloso tablet ou os vídeos das férias de Verão? A maioria dos inquiridos não tem dúvidas: a informação pessoal vale mais do que qualquer dispositivo, independentemente do preço que tenham pago por ele.Infelizmente, é muito habitual perder informação pessoal: de acordo com o estudo, um em cada cinco ataques maliciosos culminaram

17 out 2013   Comunicados de Imprensa

Poderá o jogo online Minecraft ser um risco para os menores?

Minecraft, o popular jogo online, conta já com uma comunidade virtual composta por mais de 33 milhões de jogadores em todo mundo. Trata-se de um jogo de construção virtual muito aditivo que tem prendido ao computador grande parte de uma geração, sobretudo crianças e jovens

07 out 2013   Comunicados de Imprensa

Menos spam mas mais perigoso – e o phishing cresceu 10 vezes

Os utilizadores dos sites de redes sociais continuam a ser o alvo mais cobiçado dos ataques phishing,absorvendo 29,6% dos ataques.Cada vez são mais frequentes os ataques dirigidos e sofisticados, já que representam um benefício económico maior que a publicidadeNo mês de Agosto, o spam foi particularmente perigoso. A quantidade de mensagens de email fraudulentas e maliciosas aumentou de forma muito significativa, enquanto a percentagem de spam em geral registou uma notável diminuição, de acordo com dados do relatório de spam de Agosto realizado pela Kaspersky Lab.O volume de spam no tráfego de email diminuiu 3,6% face ao mês anterior, ficando nos 67,6%. Mas a quantidade de mensagens de phishing no fluxo de email cresceu dez vezes, atingindo 0,013%. Ainda segundo o relatório, 5,6% das mensagens electrónicas continham anexos maliciosos, mais 3,4% que no mês anterior.A queda no envio de mensagens de spam nos últimos meses deve-se ao facto de os cibercriminosos estarem a mudar o seu modus operandi. Cada vez são mais frequentes os ataques dirigidos e sofisticados, já que representa para os seus autores um benefício económico maior que o gerado pela publicidade. O regresso às aulas Como era de esperar, o isco dos spammers de todo mundo em Agosto foi

03 out 2013   Comunicados de Imprensa

Novo malware no Google Play: Ad Plus faz-se passar por AdBlock Plus

A Kaspersky Lab acaba de emitir um alerta sobre uma aplicação maliciosa que simulava ser o popular AdBlock Plus usado por milhões de pessoas em todo o mundo para bloquear anúncios enquanto navegam na Internet. De acordo com Dmitry Bestuzhev, diretor de Investigação e Análise da equipa GREAT da Kaspersky Lab, em vez de bloquear a publicidade, a aplicação envia mais anúncios do que o normal para os utilizadores, anúncios que também comprometem a privacidade dos seus dados. "Este é um daqueles casos em que o utilizador procura proteção, mas só encontra problemas", diz Bestuzhev. Uma vez instalada no dispositivo, a app atribui várias permissões, incluindo o acesso a mensagens SMS, lista de contatos e registos de ficheiros que contêm informações confidenciais do utilizador. Além disso, a app tem a capacidade de alterar as configurações de Bluetooth e permitir ligações de entrada de outros dispositivos. O Adware, que foi já removido do Google Play, é rentabilizado através de uma rede de publicidade móvel baseada no Brasil, que permite ao cibercriminoso receber dinheiro por cada clique e instalação feita pelas suas vítimas.De acordo com um estudo realizado pela Kaspersky Lab e pela B2B Internacional em agosto de 2013, mais de 50% dos proprietários

← Previous   |   Top Of Page   |   Next →

© 1997 - 2014 Kaspersky Lab

Todos os direitos reservados.