Comunicados de Imprensa

2014janeirofevereiromarçoabril
2013janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2012janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2011janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2010janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2009janeirofevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro
2008fevereiromarçoabrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubronovembrodezembro

17 jan   Comunicados de Imprensa

Kaspersky Lab detecta 315.000 novos ficheiros maliciosos por dia, quase mais 60% que em 2012

O número de ataques baseados no browser duplicou face a 2012A simplicidade do sistema operativo Android torna-o no alvo perfeito para ataques de cibercriminososO nível global de ameaças na Internet cresceu em 2013 em 6,9 pontos, pelo que 42,6% dos computadores domésticos sofreram pelo menos um ataque. Em 2013, os cibercriminosos usaram 10.604.273 hosts, o que representa um aumento de 60,5% face ao ano anterior. Os Estados Unidos e a Rússia são os países líderes em recursos web maliciosos já que 45% dos ataques web neutralizados pelos produtos da Kaspersky Lab foram lançados a partir destes países.Em 2013 também se assistiu a um aumento nos problemas de segurança dos dispositivos móveis. Existe um maior nível de maturidade no que se refere à sofisticação e número de ameaças para este tipo de equipamento. A maioria das aplicações maliciosas tem como objectivo principal roubar dinheiro e dados pessoais. O sistema Android continua a ser o foco principal dos ataques, abarcando 98,05% do malware conhecido.Dia a diaA Kaspersky Lab detecta 315.000 novos ficheiros maliciosos por dia, mais 60% que em 2012, altura em que o número total era de 200.000. Em média, os produtos da Kaspersky Lab conseguiram bloquear 4.659.920 ataques online diários.O

05 jan   Comunicados de Imprensa

Angry Birds: um exemplo entre muitos de cibervigilância da NSA feita através de apps

(NSA) teria acesso a um enorme volume de dados pessoais através de aplicações para dispositivos móveis, como o jogo Angry Birds ou o Google Maps, embora na realidade estes sejam apenas dois exemplos entre muitos. A cibervigilância passa assim a deixar de se focar totalmente centrando-se agora nos smartphones, que dispõem de muita informação pessoal dos seus utilizadores e, em muitos casos, estão totalmente desprotegidos.De acordo com Vicente Díaz, analista sénior de Malware da Kaspersky Lab, “a informação proporcionada por estas aplicações já provou ser muito valiosa para anunciantes e para os criadores das aplicações, pelo que também é fundamental para os serviços de inteligência. Muitos destes jogos permitem interagir com contactos e amigos, o que favorece a criação de redes de indivíduos, mais ou menos como as redes sociais, e todos estes dados são de grande relevância”.A última versão do Angry Birds pedia ao utilizador permissão para aceder à sua localização, ao estado do telefone e às SMS, entre outros - tudo isto aparentemente para fins publicitários, já que a aplicação apresenta anúncios durante o decorrer do jogo. Além disso, as mensagens do jogo e dos amigos podem ser fonte de informação similar às redes sociais.“Este cenário não seria

20 dez   Comunicados de Imprensa

Falha no Safari põe em perigo credenciais de acesso armazenadas

Os analistas da Kaspersky Lab alertam para a detecção de uma vulnerabilidade no Safari. O browser da Apple, como muitos outros, pode restaurar as sessões de navegação prévias. Ou seja, todos os sites que estavam abertos na sessão anterior – até mesmo os que requerem autenticação – podem ser restaurados seguindo determinados passos quando se abre o browser. Esta opção pode ser cómoda para o utilizador, mas nada segura. Para que o browser saiba o que estava aberto na sessão prévia, a informação sobre essa actividade tem obrigatoriamente que ser guardada em algum lado. E é evidente que estará num sítio que não permita o acesso a qualquer pessoa e a informação está codificada. Mas o problema é que o Safari não codifica as sessões prévias e guarda-as num formato de ficheiro plist comum que é de fácil acesso. Por esse motivo, acaba por ser relativamente fácil encontrar as credenciais de início de sessão de um utilizador.A sessão autorizada completa do site é guardada no ficheiro plist, completamente à vista, apesar do uso de https no seu endereço. O arquivo em si encontra-se numa pasta oculta, mas que pode ser lida por qualquer pessoa, bastando activar a vista de pastas e

10 dez   Comunicados de Imprensa

Kaspersky cria novo número gratuito de apoio aos clientes domésticos em Portugal

O objectivo é criar maior proximidade com os clientes nacionaisUm número gratuito que permite obter apoio técnico imediato e em portuguêsA Kaspersky Lab Portugal anuncia uma alteração no seu suporte a utilizadores domésticos, que passam agora a contar com uma linha telefónica gratuita para obter apoio técnico e esclarecer quaisquer dúvidas quanto ao funcionamento dos seus produtos Kaspersky.Desta forma, todos os clientes domésticos dispõem, a partir de agora, das seguintes formas de apoio:- Número de telefone gratuito: 210 027 412 Este número não é tarifado e encontra-se ao dispor dos utilizadores nos seguintes horários – das 9:00h às 13:00h e das 14:00h às 18:00h.- Número de telefone tarifado: 707 500 322 - Email: suporte@kaspersky.pt - Web: http://www.kaspersky.com/pt/support/tech_support/support_boxesDe acordo com Pedro García, Director de Suporte & Serviços da Kaspersky Lab, “os produtos da Kaspersky Lab são reconhecidos pelo seu elevado grau de fiabilidade e facilidade de instalação e utilização. No entanto, há sempre dúvidas que surgem e incompatibilidades que de vez em quando aparecem devido À existência de soluções de terceiros instaladas previamente nos sistemas dos utilizadores. Como tal, e tendo em conta que a Kaspersky Lab tem uma forte penetração no mercado doméstico português, era imprescindível criarmos uma linha directa de apoio a

12 nov   Comunicados de Imprensa

Kaspersky Lab bloqueia ataques a vulnerabilidade zero-day do Microsoft Office

No dia 5 de Novembro, a Microsoft publicou um alerta de segurança informando os utilizadores acerca de uma vulnerabilidade do sistema que permitia aos atacantes obterem os mesmos direitos de acesso do utilizador legítimoA tecnologia Prevenção Automática de Exploits da Kaspersky Lab bloqueia as tentativas de infecção desta vulnerabilidade que até esse momento era desconhecida pela Microsoft mas que já está activa desde JulhoA tecnologia de Prevenção Automática de Exploits da Kaspersky Lab (AEP) protege os utilizadores contra o malware que explora as vulnerabilidades descobertas nos programas mais utilizados, incluindo Java, utilizando-as para infectar computadores, e bloqueia com êxito os ataques resultantes da vulnerabilidade recentemente descoberta no software Microsoft Office.No dia 5 de Novembro, a Microsoft publicou um aviso de segurança informando os utilizadores acerca de uma vulnerabilidade no sistema que permitiria aos atacantes obter os mesmos direitos de acesso do utilizador legítimo. Esta vulnerabilidade afecta o Microsoft Windows, o Microsoft Lync e o Microsoft Office. Dado o elevado número de utilizadores destes programas, a vulnerabilidade de software já afectou milhões de utilizadores em todo o mundo.A Kaspersky Lab confirma que a sua tecnologia AEP conseguiu bloquear as tentativas de infecção desta vulnerabilidade - que até esse momento era desconhecida

06 nov   Comunicados de Imprensa

28% dos europeus não comprovam a segurança dos sites onde introduzem dados

24% dos utilizadores europeus nunca ouviram falar de ferramentas para comprovar a veracidade de um site62% dos europeus já se depararam com pelo menos uma ameaça online aos seus activos financeirosQuase 30% dos europeus introduzem dados confidenciais (incluindo dados financeiros) em páginas web sem comprovar primeiro se estas são autênticas. Dos países da Europa, Espanha é o mais descuidado, quase o triplo da média do continente. O país onde os utilizadores são mais precavidos é a França, onde só 9% não se certificam da segurança dos sites antes de introduzir informação pessoal. Estes são dados obtidos no estudo “Consumer Security Risk Survey 2013” realizado por B2B Internacional para a Kaspersky Lab.Os cibercriminosos aproveitam esta despreocupação e criam versões falsas de sites para roubar as credenciais dos utilizadores. A criação de websites falsos que imitam sites de companhias importantes para roubar dados pessoais é uma fraude bastante popular na Internet. Uma proporção importante dos sites de phishing (1 em cada 5, segundo os dados da Kaspersky Lab) é criada para roubar informação financeira. Os utilizadores ignoram muitas vezes esta ameaça e não tomam as medidas adequadas para se proteger. De facto, o estudo revela que 24% dos europeus nunca tinha ouvido falar

31 out   Comunicados de Imprensa

O que acontece à sua vida digital depois da morte?

Especial Todos os Santos

25 out   Comunicados de Imprensa

Ataques à medida através da geolocalização nas redes sociais

Lisboa, 25 de Outubro de 2013 - A geolocalização tornou-se numa funcionalidade muito utilizada pelos utilizadores de smartphones em todo mundo. Graças a sistemas como o GPS e ao desenvolvimento de mashups, tem crescido o interesse dos utilizadores em receberem ofertas de restaurantes, hotéis, rotas de interesse etc.As redes sociais mais populares - Facebook, Twitter, Google+ - permitem aos utilizadores partilharem a informação sobre a sua localização e o estão a fazer em determinado momento. Mas a grande popularidade destes serviços não passou despercebida aos cibercriminosos, que começaram a ajustar as suas tácticas a este fenómeno para tornar os seus ataques mais dirigidos e eficazes."Começámos a observar uma grande quantidade de cibercriminosos que usam a geolocalização para realizar ataques dirigidos às redes sociais através de apuradas técnicas de engenharia social", afirmam os analistas da Kaspersky LabA natureza das redes sociais, em que os utilizadores partilham detalhes íntimos das suas vidas, nomeadamente onde se encontram, quais os seus hobbies, onde trabalham e o que comem, etc., faz com que este tipo de ciberataques seja mais fácil de implementar. Os dados que se partilham permitem aos cibercriminosos filtrarem os perfis dos utilizadores de acordo com interesses concretos. Isto facilita-lhes a tarefa de criar

23 out   Comunicados de Imprensa

Mais de metade dos europeus dá mais valor ao que guarda no computador do que ao dispositivo em si

61% dos utilizadores infectados por malware na Europa foram incapazes de recuperar todos os seus dadosA maioria dos inquiridos diz que a informação pessoal vale mais do que qualquer dispositivo, independentemente do seu custo Um em cada cinco ataques maliciosos culminou no roubo de dados pessoaisA maioria dos utilizadores de computadores considera que os dados que os seus equipamentos contêm são mais importantes do que o próprio hardware. Num inquérito realizado este Verão pela B2B Internacional e pela Kaspersky Lab, 56% dos europeus classificaram as suas fotos e documentos como sendo mais valiosos do que o equipamento, mesmo o mais caro. No entanto, nos casos em que os utilizadores já sofreram um ataque de malware, mais de 50% foram incapazes de recuperar todos seus dados.Mas o que tem mais valor, um computador caro ou a primeira foto de um filho? Um portátil ou os emails partilhados com a cara-metade? Um fabuloso tablet ou os vídeos das férias de Verão? A maioria dos inquiridos não tem dúvidas: a informação pessoal vale mais do que qualquer dispositivo, independentemente do preço que tenham pago por ele.Infelizmente, é muito habitual perder informação pessoal: de acordo com o estudo, um em cada cinco ataques maliciosos culminaram

17 out   Comunicados de Imprensa

Poderá o jogo online Minecraft ser um risco para os menores?

Minecraft, o popular jogo online, conta já com uma comunidade virtual composta por mais de 33 milhões de jogadores em todo mundo. Trata-se de um jogo de construção virtual muito aditivo que tem prendido ao computador grande parte de uma geração, sobretudo crianças e jovens

© 1997 - 2014 Kaspersky Lab ZAO.

Todos os direitos reservados.